Buscar

Coisa de Menino e Coisa de Menina? 

O curioso foi como pensei no tema deste texto: eu estava numa loja de brinquedos à procura de um presente para uma menina de 3 anos. Então, comentei com o marido “O lado dos meninos é sempre mais interessante. Olha isso! Um carro com controle remoto!!”. Meu marido disse que sempre quis ter um desses e em seguida, ele brincou “Mas isso é coisa de menino!”.

Quantas vezes na minha vida não ouvi (e também falei): “Isso é coisa de menino!” ou “Isso é coisa de menina!”? Com certeza, você também já fez isso alguma vez na sua vida.

No meu caso, eu ouvi muito a primeira opção: eu tinha de brinquedo, por exemplo, a espada do He-Man (não da She-Ra), queria ser o Super Homem, amava qualquer brincadeira que me fizesse correr e pular muito, eu sonhava em ter um carrinho com controle remoto (como vocês puderam ver rs) e não a casa da Barbie, porque boneca também nunca foi muito o meu interesse.

Claro que tive momentos em que quis ser uma das princesas da Disney, cantei e dancei as músicas da Xuxa e de Sandy & Junior, mas num geral, não tinha um gosto muito próximo do que os “padrões” dizem ser “coisa de menina”.

As preferências mudaram conforme as fases que vivi, mas ainda prefiro filmes de ação e ficção do que dramas e comédias/românticas, calças e shorts ao invés de saias, sapatos sem salto do que com saltos, carros do que moda, etc.

O que estou querendo dizer, com toda esta minha história, é que não deveríamos impor padrões às crianças. (Nós, porque eu não sei como serei com os meus filhos) A infância é uma fase de descobertas! Devemos sempre orienta-las, claro, mas não priva-las. Agradeço muito aos meus pais por nunca terem me privado dessas vontades e por terem me deixado ser como eu era mesmo.

Digo isso, pois sinceramente acho confuso quando a fase adulta chega e todos (mulher E homem) clamam por direitos iguais, se num primeiro momento viveram “pré definidos” ou de alguma forma, hoje impõem aos filhos, sobrinhos, afilhados, etc., a divisão do que o menino ou a menina deve fazer e escolher.

Que isso pode influenciar também na sexualidade da criança? Acho muito relativo, pois há diversos fatores a serem levados em consideração e acredito que não serão as preferências de entretenimento e muito menos a cor da roupa que serão decisivos nesta questão.

A minha proposta hoje é nos fazer pensar e agir mais como crianças em nosso dia a dia. Ser felizes com as coisas mais simples, sem nos preocuparmos com estes tantos paradigmas da vida!

Será que eu consigo? Será que você consegue?

Vamos tentar?

#experiências #compartilhamento #históriasdevida #infância #comportamento #aprendizado

Posts recentes

Ver tudo

Eu, assim como você, estou preocupada com o futuro e passei por um luto nas primeiras duas semanas da quarentena até aceitar que os meus planos naquele momento teriam que ser adiados e que as ações qu