Buscar

Como foi a sua infância?

Há alguns dias, eu assisti ao primeiro episódio do programa Deborah Secco Apresenta sobre a Infância. O vídeo não é muito longo e achei de um cuidado lindo ao mostrar a história de cada pessoa ali entrevistada.

No final, ela pergunta:

Como foi a sua infância?

Eu fiz este exercício e pensei em tudo o que eu já vivi até agora: a infância é a fase mais importante e marcante na vida de uma pessoa! Claro que não estou considerando aqui grandes acontecimentos em outras fases da vida, mas no que diz respeito à formação do seu caráter.

Hoje, adulta, admito ter certos desafios com relação ao que eu sinto e como ajo em muitas situações, pois sei que muitas se originaram de algo que vi e aprendi na infância. Crianças estão o tempo todo se espelhando em alguém, não necessariamente apenas nos pais, pois elas não sabem como lidar com os seus sentimentos e à tudo o que é novo para elas. 

E trouxe este assunto, pois essa reflexão tem me feito entender muito mais o comportamento de jovens e adultos do meu círculo de vida que, antes, eu não tinha muita paciência para lidar. Não podemos generalizar as ações, mas conhecendo melhor a pessoa, pude identificar as atitudes (boas ou ruins) oriundas de sua infância.

Tudo isso também tem me feito repensar as atitudes com relação ao próximo e para, quando eu tiver os meus filhos, eu sempre lembrar em como cada ação minha poderá marcar e influenciar suas vidas.

Já parou para pensar em como você era, a sua visão sobre o que e quem te cercava e as suas expectativas? Sugiro que reserve um tempinho para isso. E mesmo que você não pense em filhos, pense em você mesmo com relação ao próximo e vice versa. Acredito que você terá uma outra visão e compreensão sobre o passado e o presente, não apenas seu, mas também de quem te cerca, para tentar construir relações melhores a partir de então.

#autoconhecimento #comportamento #experiências

Posts recentes

Ver tudo

Eu, assim como você, estou preocupada com o futuro e passei por um luto nas primeiras duas semanas da quarentena até aceitar que os meus planos naquele momento teriam que ser adiados e que as ações qu