Buscar

Estou Desempregado. E Agora?

Esta semana, uma pesquisa apontou que a taxa de desemprego no Brasil aumentou para 11,6%, o que representa quase 12 milhões de brasileiros desempregados.

Por isso, hoje trouxe algumas dicas para controlar as finanças para você que, atualmente, vive essa realidade ou já quer se precaver sobre isso.

enfrentar-o-desemprego
  1. Relacione todas as suas dívidas, despesas fixas e a média de despesas variáveis (lazer, restaurantes, presentes, etc).

  2. Relacione os seus ganhos e investimentos/economias.

  3. Faça uma divisão do que você ganha e tem poupado com o total das dívidas e despesas. Você saberá quantos meses suas economias sustentarão seu cenário atual.

(Ganhos e Investimentos) 8.000,00 / (Dívidas) 2.000,00 = 4 meses

  1. Monte um plano de ação

  2. Analise e corte o que puder das despesas fixas

  3. Estipule um valor máximo para as despesas variáveis do mês

  4. Faça acordo das suas dívidas

  5. Seja firme e não gaste com o supérfluo – lembre-se que, de qualquer forma,  isso vira uma dívida e quem vai pagar a conta ainda é você!

  6. Acompanhe semanalmente os seus gastos. Finanças requer controle contínuo. Cartão na mão nos faz perder facilmente a noção do quanto gastamos, então é imprescindível fazer esse acompanhamento.

O foco agora é controle e claro, analisar as oportunidades do mercado, vagas e considerar também trabalhar por conta.

Já compartilhei aqui que “A crise é uma grande fonte de transformação”. Só se lamentar não traz resultados, então procure alternativas e reinvente-se. A crise é ruim se não fizermos nada para evita-la 😉

Espero ter ajudado de alguma forma. E qualquer dúvida, deixe nos comentários ou me mande por e-mail contato@rejaneakemi.com.br.

Mais detalhes sobre Finanças Pessoais, acesse https://rejaneakemi.com.br/financas-pessoais/

#crise #orientaçãofinanceira #organizaçãoprofissional #coaching #organizaçãofinanceira #finançaspessoais #organizaçãopessoal

Posts recentes

Ver tudo

Eu, assim como você, estou preocupada com o futuro e passei por um luto nas primeiras duas semanas da quarentena até aceitar que os meus planos naquele momento teriam que ser adiados e que as ações qu