Buscar

Home Office para uma Vida Melhor – 10 Razões | Indicação de Leitura

Eu já trabalhei, indiretamente, na área de Recursos Humanos de empresas e sei o quanto e os motivos pelos quais o “Home Office” ainda é um assunto tão polêmico e que a maioria das empresas evita falar sobre.

Talvez, o maior motivo sejam as brechas na lei trabalhista brasileira que, de forma geral e independente do assunto, favorece quase sempre o ex-empregado.

Não que as empresas sejam politicamente corretas num geral, mas o fato de não poder monitorar o colaborador de perto e ter certeza que, primeiro, ele/ela está, de fato, trabalhando e produzindo como deveria e segundo, cumprindo com as normas da empresa para que não haja nenhum acidente ou futuro dano físico e mental, é que as empresas ainda têm uma certa resistência com relação ao home office.

O home office, não vou negar, tem seus prós e contras como tudo na vida. Até fiz um vídeo para o Aquele Blog em Abril/2016 sobre isso e acho que a minha opinião e dicas ainda valem para os dias atuais. Se quiser conferir, segue vídeo abaixo.


Em suma, gosto bastante desse ritmo de trabalho que o home office tem me proporcionado há quase 3 anos. Ainda mais por eu morar numa Capital como São Paulo, consigo otimizar muito o meu tempo e qualidade de vida.

Porém, gostaria de deixar bem claro que esse não é o único modo ideal de trabalho. Cada um tem a sua preferência, de acordo com as necessidades e condições atuais, mas se você tem interesse e tiver a oportunidade, seja na empresa onde trabalha ou por mudança na sua carreira, de trabalhar em esquema home office, a indicação de leitura dessa semana, talvez, possa te dar também outras perspectivas sobre o assunto. Vale a leitura e claro, analisar bem se isso atenderá as suas necessidades! 😉

Home office para uma vida melhor: listamos 10 razões

#qualidadedevida #organizaçãoprofissional #prioridades #foco #organizaçãopessoal #produtividade #homeoffice

Posts recentes

Ver tudo

Eu, assim como você, estou preocupada com o futuro e passei por um luto nas primeiras duas semanas da quarentena até aceitar que os meus planos naquele momento teriam que ser adiados e que as ações qu